InfoChoice Tecnologia Histórias da Carrocinha Histórias da Carrocinha: causos que acontecem nas empresas, mas que ninguém fica sabendo – até agora!

Histórias da Carrocinha: causos que acontecem nas empresas, mas que ninguém fica sabendo – até agora!



Olá, bom dia!

O trocadilho no título desse post é proposital.

Em nossa leitura dinâmica, apressada pelos afazeres e pressão desse “mundão véi sem porteira”, que às vezes nos atropela, a expectativa natural da ordem das palavras nesse título seria Histórias da “Carochinha”, não é mesmo?

Aliás, você sabe a origem da palavra “Carochinha”?

É uma herança que recebemos de Portugal, se aplica a diversos sentidos.

O termo é atrelado à imagem de “uma velha bondosa e afável a distrair os pequenos com suas narrativas imaginárias”.

Foi introduzido no nosso folclore através da obra Histórias da Carochinha, uma coleção de textos oriundos da tradição oral, organizada por Figueiredo Pimentel e que veio a ser o primeiro livro infantil publicado no Brasil, depois de 1920, para acalentar as crianças.

Mas por que eu decidi usar a palavra “Carrocinha” no título desse post?

Porque eu amo as coisas da roça!

Fui nascido e criado no interior de Minas Gerais, na cidade de Timóteo, no Vale do Aço, onde o sol lá “racha as mamonas”, igual esse calorão que estamos experimentando nesses dias com a chegada da primavera.

Uma das minhas memórias mais vívidas dos tempos de criança, onde eu era feliz e sabia, é a de um carroceiro que passava uma vez por mês na rua da minha casa vendendo laranjas!

Ele estufava o peito e gritava: “Olha a laranja! Laranja cerra d´água e bahia!

Ao ouvir aquele brado e a marcha cadenciada das ferraduras do cavalo faiscando na rua, eu saia correndo descalço, todo alegre e dando piruetas atrás da carroça.

O cavalo, percebendo a minha presença me encarava com aquele zoião bem intimidador, dava uns trancos, ensaiando um galope. Meu coração nessa hora pulava na boca.

Como eu era um menino muito “arteiro”, dependurava na traseira da carroça, quase arrastando no chão aos meus cambitos encolhidos.

“Por um beicinho de uma pulga” os meus joelhos eram libertados de uma “esfolagem” naquele chão escaldante, que com certeza doeria muito e queimaria até a alma.

Para mim a jornada durava uma eternidade devido os apertos.

Aí o carroceiro pegava suavemente nas rédeas, como se estivesse regendo uma orquestra com duas batutas, fazia um movimento suave para cima e para baixo sobre o lombo do cavalo, e balbuciava um singelo comando de parada: “ôua” e finalmente fazia biquinho com os lábios, emitindo aqueles barulhinhos peculiares como se estivesse mandando beijinhos para o seu fiel “Rocinante”.

Olhava para mim de soslaio concomitantemente com ternura e preocupado com a minha possível queda até parar a carroça completamente, bem em frente a um campo de futebol no final da rua.

Para recompensar a minha estripulia, aquele gentil senhor me dava uma laranja cerra d’água, docinha que parecia mais um favo de mel.

Aquela laranja para mim era uma medalha de ouro. Cada gomo era degustado como se fosse uma iguaria cítrica, um manjar do céu.

Quando tinha um dinheirinho amarrotado no meu bolso, trajando uma bermudinha colorida com estampa havaiana, eu comprava uma dúzia de laranjas, que eram embaladas naquela ecobag rede de pesca de cor amarela, que depois eu a usava para brincar de pegar uns lambaris no córrego próximo de casa.

Mas onde você, o personagem principal, entra nessa história?

E porque eu usei a palavra “Carrocinha” e não Carochinha?

Meu Deus, como elas são parecidas, quase me confundi agora na hora de digitá-las.

Bom, eu vou ser esse senhor gentil e você vai ser o meu convidado especial para se assentar do meu lado nessa carroça de histórias que vou lhe contar, pelo menos uma vez por mês.

Você vai ter uma visão panorâmica de fatos e demandas envolvendo TI e Telecom que acontecem nas organizações.

Alguns deles permeados em ruas pavimentadas com asfalto, outros em vielas de paralelepípedos.

O primeiro episódio da série de Histórias da Carrocinha será intitulado:

Apagão é igual a parente sem noção!

Aceite o convite e já pode subir na minha carroça.

Acompanhe os próximos causos aqui no blog da InfoChoice.

Ou se preferir acesse o nosso formulário de contato clicando aqui – chegando lá informe os dados solicitados que você receberá as histórias no conforto da sua caixa postal.

No final de cada história eu vou te dar uma laranja!

Um brinde à sua prosperidade!

Fonte da imagem do senhor, sobre a carroça com o cavalo – ID Pinterest: 337277459566882877

Related Post